domingo, 1 de Abril de 2012

Museu Calouste Gulbenkian - ArtesDecorativas





Tapeçarias da Flandres e de Itália do século XVI, dão início ao itinerário das artes decorativas europeias.

Do século XVIII francês destacam-se as tapeçarias das manufacturas dos Gobelins, Beauvais e Aubusson; um notável conjunto de móveis das épocas da Regência, Luís XV e Luís XVI da responsabilidade de artistas como Cressent, Oeben, Riesener, Jacob, Carlin e Sené e peças de ourivesaria, da autoria dos melhores ourives franceses como F.-T. Germain, Durand, Lenhendrick, Roettiers e Auguste.




Tapeçaria “Vertumno e Pomona”
Tapeçaria “A Barca de Vénus” da armação “Jogos de Crianças”
Armário (de um par)









Biombo
Par de bibliotecas
Regulador









Jarro com tampa
Abafador
Par de mostardeiras









Terrina com bandeja e colher
Três Jarras Pisciformes
Relógio de Parede









Cómoda
Tapeçaria “La Pipée aux Oiseaux” da armação “Noble Pastorale”
Tapeçaria “O Pescador Infeliz”









Fragmento de tecido
Mesa mecânica
Mesa Mecânica









Centro de mesa
Par de cafeteiras
Secretária de cilindro









Cadeira de braços
Par de candelabros de parede
Prato raso (de um “serviço”)











Salva com pé

Museu Calouste Gulbenkian - Arte Greco-Romana





Neste núcleo destaca-se a extraordinária colecção de moedas gregas e «medalhões» que fazem parte do tesouro encontrado em Abuquir, Egipto, em 1902, para além de esculturas, cerâmicas, vidros, jóias e gemas.





Vaso grego
Moeda grega
Moeda grega










Gema romana
“Medalhão” romano de Abuquir
Vidro romano


Coleção Calouste Gulbenkian



A Colecção Calouste Gulbenkian é constituída por cerca de 6000 peças, das quais o Museu reúne nas suas galerias de exposição permanente, 1000 das mais representativas. Entre os vários núcleos que constituem a Colecção apresenta-se uma breve selecção das obras mais significativas que integram o Museu Calouste Gulbenkian.